Que tal fazer um tour virtual? É só clicar! https://www.google.com/maps/@-12.6088812,-38.4943433,0a,75y,226.5h,87.07t/data=!3m4!1e1!3m2!1sAF1QipMep7DdQ2THv0IXvN8dkcvuEK-cesJgNFFvbL44!2e10

Meus Netinhos sabem muito bem o quanto sou ecológica, porque sempre estou falando sobre maneiras de auxiliarmos na preservação da natureza e em técnicas para não agredirmos o meio ambiente. Que tal Eu dar algumas dicas bem legais sobre compostagem de alimentos?

Ah! E se você não tem uma horta ou jardim em casa ou no prédio, pode doar para quem tenha ou até mesmo vender, tornando uma boa fonte de renda! Claro que, primeiro, a Vó aqui precisa ensinar o que é a compostagem e quais as suas vantagens para a nossa vida e nosso planeta. Vamos lá?

A compostagem É quando nós transformamos todo o material orgânico que jogaríamos no lixo (como restos de verduras, legumes e demais alimento orgânicos), em adubo, que pode ser usado na agricultura ou em jardins e plantas. Não é ótimo isso? Como fazer É super simples! Você pode fazer com frutas, verduras, legumes, sementes, borra de café, sobras de alimentos cozidos ou estragados e cascas de ovo.

Percebeu como também é totalmente econômica?

Passo 1 Primeiro, separe um recipiente para colocar o lixo – que pode ser em um baldes ou vasilhas plásticas de grande, médio ou pequeno porte.

Passo 2 Faça um furo no fundo do recipiente, em tamanhos diferentes, para eliminar o líquido, conhecido como chorume, que sairá do lixo. Ele também poderá ser aproveitado para jogar nas plantas, porque tem um efeito fertilizante! Para recolher o líquido, deixe uma bacia embaixo.

Passo 3 Agora, vá colocando o material por camadas, com os diferentes tipos de resíduos. O que vai transformar o lixo em compostagem é a ação dos micro-organismos. Para eles se desenvolverem, é preciso apenas que a gente organize da seguinte forma: uma camada do material orgânico ainda com líquido e três camadas com materiais secos, como papelão, folhas secas, palha de milho ou até mesmo pó de serra. Comece e termine sempre pelo material seco para evitar o mau cheiro. E não se esqueça de nunca tampar o recipiente!

Passo 4 Após montar tudo direitinho em seu recipiente, deixe o material descansar e se decompor. O processo dura cerca de 15 dias em temperatura ambiente. Você não pode retirar, nem mexer no chorume nesse período – só após esse prazo, utilizando de um garfo longo ou espátula de metal. A cada 15 dias você poderá acrescentar mais lixo orgânico à mistura.

Cerca de 2 ou 3 meses, dependendo do tanto de lixo decomposto, o adubo estará pronto. #ficadica Uma dica para saber se já está pronto é observar se a cor é escura e o cheiro é de terra. Você pode esfrega-lo nas mãos, se não ficarem sujas, está pronto.

Além do reaproveitamento, uma dica importante é você cozinhar e se servir apenas com a quantidade necessária para seu consumo, o que evita que os restos do prato acabem indo para o lixo. Beijo da Vó!

Essas dicas estão entre as perguntas campeãs de meus netinhos que chegam aqui ao restaurante! É certo a vó aqui ouvi-la todo santo dia…rs

Resolvi compartilhar de alguns dos meus segredinhos com vocês, meu netinhos. Afinal de contas, Coração de vó é mole demais e não aguenta ver um apelo. Vamos lá, então?

Atenção

É puramente uma questão de prestar atenção aos pequenos detalhes que antecedem o preparo. Então, separe essas dicas direitinho, salve esta matéria, imprima ou mande para aquela pessoa que você pensou nesse momento e adoraria compartilhar essa dica da vó!

Dica 1

Primeira coisa, deixe tudo o que você vai utilizar já separadinho! confira os ingredientes, as formas e as medidas. Afinal de contas, não há nada mais desanimador do que ter que parar a receita no meio, porque acabou um ingrediente. Isso pode jogar sua fofura do bolo lá para o espaço…rs

Dica 2

Tudo conferido, agora unte a forma. Exatamente! Muitas pessoas deixam essa etapa para o final, mas não sabem que isso pode fazer com que a massa demore tempo demais descansando, e acabe passando do ponto certo. Use manteiga ou óleo para untar, porque a margarina tem muita água e menos gordura em sua composição.

Dica 3

Peneire tudinho! Por mais que você imagine que é um cuidado desnecessário, acredite; não é. Esse é um excelente método para deixar a massa mais aerada, permitindo que ingredientes secos, como farinha, açúcar e fermento desenvolvam pequenos grumos ou cristais na massa.

Dica 4

Preaqueça o forno. Essa medida é necessária para que ele fique na temperatura ideal para o cozimento e não faça com que o seu bolo fique assado de forma desigual.

Dica 5

Deixe uma vasilha com água dentro do forno, enquanto ele preaquece. Esse é o meu pulo do gato! Isso evita que a massa resseque demais.

Dica 6

Todos os ingredientes devem estar em temperatura ambiente, para que a massa fique homogênea, facilitando a mistura e também o crescimento do bolo. Essa também é outra dica valiosíssima!

Dica 7

Esses, sim, fazem toda diferença. Tenha sempre medidores para calcular direitinho as dosagens em xícaras ou colheres. Quantidades acima ou abaixo do pedido interferem diretamente em como seu bolo vai ficar.

Dica 8

Não abra o forno nos primeiros 15 minutos! Nesse momento, o calor está cumprindo toda sua função e o ar frio externo pode atrapalhar tudo, viu!?

Dica 9

Quem nunca ouviu por aí que o jeito certo para descobrir se uma massa está assada é enfiar o palitinho? Mas não faça isso! Principalmente quando ainda faltar um tempo considerável para o fim, prejudica muito o andamento da receita, porque você acaba tirando todo o ar da massa e corre um sério risco de ele não crescer direito ou ficar bem durinho!

A melhor forma para descobrir se já está no ponto é dar uma leve apertadinha na superfície: se a massa voltar, já pode tirar do forno. Se ela afundar e ficar, precisa de mais tempo.

Dica 10

Nunca deixe seu bolo permanecer no forno, após terminar de assar, porque o calor continua aquecendo e cozinhando, o que vai fazer com que ele resseque. Para desenformar, espere esfriar: bolos fofinhos têm a tendência a desmanchar quando ainda estão quentes.

 

Depois desse passo a passo, é encher a boca d´água e saborear!

Quem imagina um café da manhã e um almoço tão diversificados não consegue imaginar o
processo rigoroso pelo qual passa nossa matéria prima para ser transformada em delícias
tão desejadas.

Vou abrir um pouco do nosso dia a dia para que você saiba como a vovó garante o seu
segredo para cativar cada coraçãozinho que vem me prestigiar.

Cada fruta, verdura, legume e folhas é escolhido criteriosamente por um dos nossos
fornecedores, encarregado por suprir as melhores delicatessens de Salvador – a Shimizu
Hortifrutigranjeiros. A seleção passa pelo aval dos olhos atentos de nossa Chef, a carinhosa
Nancy Mariniello. É dela o olhar apurado da seleção, o paladar refinado para atingir o ponto
e mãos hábeis que conduzem receitas e a cozinha.

Por falar em cozinha, como não ressaltar a equipe brilhante composta por 15 guerreiras e
delicadas mulheres, capazes de garantir a riqueza do menu e a surpresa aos paladares
mais exigentes.

Toda essa equipe ainda conta com uma supervisão de primeira linha da reconhecida
Nutricionista Marita Mendes. Semanalmente Ela avalia o equilíbrio nutricional do nosso
cardápio e a manipulação dos alimentos e materiais, além de promover cursos semestrais
de atualização sobre as práticas utilizadas, com nossas profissionais.

Nosso segredo é mais que desvendado: criteriosamente artesanal, carinhosamente de Vó.

A relação do posto Dalva com os amigos motoqueiros já possui mais de 30 anos… uma
história que começou quando Seu Paulo de Almeida, fundador do Posto Dalva, que tratava
com um carinho ímpar todos os grupos que paravam para abastecer no local e comer os já
famosos pasteis.

Entre um anúncio e outro no único posto do Brasil a realizar propaganda com microfone,
naquela época, sempre surgia a forma carinhosa e íntima com os amigos das duas rodas
que, no retorno das viagens ao interior do estado da bBahia, tinham parada obrigatória na
lanchonete construída entre duas ilhas de combustível.

Em 2007 decidimos reformular a estrutura com a construção de uma lanchonete melhor
equipada, ao que nossos amigos motoqueiros mantiveram a relação que crescia a cada dia,
pelos referenciais dessa integração familiar. Foi então que implantamos um blindex para
que os motoclubes colocassem os emblemas – ao que hoje já somam mais de 200 logos
aplicados por cada irmandade, em um gesto de reconhecimento.

Com a abertura do Restaurante Vovó Dalva, em 2012, o acolhimento não poderia ser
diferente e toda vez que há eventos de grande porte no interior do estado, com encontros
de motos, nossos desbravadores das estradas costumam parar para nos prestigiar.
Atualmente, recebemos pontualmente, a cada Domingo, alguns desses queridos netinhos
da Vó, que saem de Salvador, para saborear o nosso café da manhã.

Claro que clientes tão especiais têm espaço cativo em nosso quadro de sugestões e já
tiveram atendidos muitos dos mimos referentes às delícias que gostariam de saborear ao
toque majestoso desta casa familiar.

E assim é que a Vovó cresce, a cada novo dia, no coração desses gigantes de duas rodas,
desbravadores deste mundão

Não à toa somos reconhecidos por espalhar Amor como combustível da vida. E não há
como falar desse sentimento, sem lembrar de como tudo começou…

Há mais de 40 anos, o Seu Paulo de Almeida, fundador do Posto, segurava com firmeza e
atenção o seu microfone para recepcionar cada veículo que chegava ao local para
abastecer, sempre com o bem humorado “Seja Bem Vindo”.

Não tinha como não deixar de fazer as propagandas dos deliciosos salgados da lanchonete
e da vedete do momento na BR-324: os já famosos pastéis.

Tamanha dedicação ocorreu de forma diária ao longo de 30 anos acolhendo famílias, que
se tornavam, inevitavelmente, ampliando a própria família Dalva.

Este ciclo começou a sofrer uma mudança em 2011, quando Seu Paulo sofreu um delicado
acidente. A propaganda teve que ser interrompida. O silêncio que ecoava em cada chegada
deixava também um vazio nos já familiarizados com a recepção tão calorosa. No entanto a
onda de amor propagada por este local, não seria desfeita tão facilmente.

Em Agosto de 2017, Seu Paulo faleceu, mas até hoje aqueles que foram acolhidos com
tanto carinho ainda perguntam por essa personalidade única, que deixou saudade para
todos nós… um vazio insubstituível; aquela voz capaz de marcar o coração de todos, com o
agradecimento pela confiança da parada e o carinhoso “Vá com Deus…” no retorno à
estrada.